Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estrela Poesia

A vida se faz caminhando,cada dia cada hora é único,mas sempre de mão dada com o amor

Estrela Poesia

A vida se faz caminhando,cada dia cada hora é único,mas sempre de mão dada com o amor

Raízes

 
Raízes
Olhar de planta
Levantada
Pão de seara
Nos lábios
Dos dias
 
Somos nós
Em cada sulco
As mãos
Que a terra
Afagam
 
Ó meu amor
Minha amiga
Vem beijar as raízes
Deste chão
 
Álvaro de Oliveira

Instante

O arco do violino quebrou-se

Uma rosa murchou

Na mão do homem a enxada

Abateu a árvore florida

A verva daninha cresceu

O menino chorou ao nascer

Bem haja a vida

Merícia de Lemos

Há Sol na Rua

 
Há sol na rua
Gosto do sol mas não gosto da rua
Então fico em casa
À espera que o mundo venha
Com as suas torres douradas
E as suas cascatas brancas
Com suas vozes de lágrimas
E as canções das pessoas que são alegres
Ou são pagas para cantar
E à noite chega um momento
Em que a rua se transforma noutra coisa
E desaparece sob a plumagem
Da noite cheia de talvez
E dos sonhos dos que estão mortos
Então saio para a rua
Ela estende-se até à madrugada
Um fumo espraia-se muito perto
E eu ando no meio da água seca .
Da água áspera da noite fresca
O sol voltará em breve

Boris Vian

Como As Espigas

Finalmente (embora
saibas que não há
nem fim nem princípio):
deves dizer ainda
que há uma rosa de espuma
no teu peito e que
o seu perfume
não se esgota. E que lá
também existe
uma fonte onde bebem
as flores silvestres. Mas não
humildes, como ias
chamar-Ihes: altas
como as espigas
do vento, que no vento
se esquecem e que no vento
amadurecem.

Albano Martins

CAIXINHA DE MÚSICA

Qual grande caixa de música,
a cidade, de sons e cores,
é, também,um grande palco:
a emoção, bailarina,
vibra dentro de todos
e a música é poesia
na ponta das sapatilhas...

 

Luíz Carlos Amorim

Amor

Amor é tudo
o que se espera duma rosa
quando se orna de pétalas
macias, se
enfeita, se perfuma
e sai

para passar a noite no decote
entre os teus seios

Nuno de Figueiredo

Agora Tenho Rosas


Antes do amor as rosas ficavam distantes...
Não as podia ter, mesmo as compradas,
Pois nunca era primavera dentro de mim...
A vida fluía entre noite e dia como outono
Com a tristeza sem graça do inverno frio...
Por quê havia de querer rosas
Se meu coração ansiava abrigo?

Agora minha alma ignora o que era antes...
Sinto o calor do sol mesmo nas madrugadas...
Aspiro ricos aromas, pois ora sou o jardim.
Não mais existe sensação triste do abandono
E das chalaças da vida, quando as tenho, rio,
Porque agora tenho rosas
E elas melodiam o amor comigo.


Antonio Miranda Fernandes

Suave

Nas folhas da tua suavidade

escrevi um verso

que não encontrei

no dicionário do amor.

Fui encontrar em ti

explosão de flores,

amor de todas as cores,

de cores que nunca vi!

Joaquim Evónio


Rastos


Versos tal vôo da ave de passagem
atando letras na rede das idéias
que não deixa marcas lado de fora.
no silêncio de deus adormecido,
na poeira dos caminhos, rastos
de passos arrastados nos idos,
do que foi e já não se vê agora.

Antonio Miranda Fernandes

SER POETA


Para falar de amor não faço construção rara

Nem escrevo com a caneta mais cara

Basta que sinta da inspiração o aperto

Toda manhã no meu peito.

 

Para ser poeta não é preciso sofrer

Nem dos odores da morte viver

Basta olhar a natureza e sua beleza

Que o verso flui com leveza.

 

Para ser poeta não precisa ser letrado

Basta ter a alma pura, ver as coisas simples da vida,

Encontrarás inspiração numa rosa pendida

Ou num pequeno lírio perdido no prado.

Maria Hilda de J. Alão