Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Estrela Poesia

A vida se faz caminhando,cada dia cada hora é único,mas sempre de mão dada com o amor

Estrela Poesia

A vida se faz caminhando,cada dia cada hora é único,mas sempre de mão dada com o amor

Amor

Talvez eu seja uma onda do mar
Onde corri para te abraçar
Onde meu coração parou
No teu peito despertou

 

Assim sou eu, aquela que ama
Que desespera deste amor
Onde sentiu a solidão, a dor
Talvez eu seja o vento, ou calma

 

Talvez eu seja o tempo, sem alento
A flor caída e dorida de desalento
O poema que escrevi para ti, eu sei
Que de amor me dei, e muito amei

 

Lisa

 

 

 

 

Meu Coração Tardou

Meu coração tardou. Meu coração
Talvez se houvesse amor nunca tardasse;
Mas, visto que, se o houve, houve em vão,
Tanto faz que o amor houvesse ou não.
Tardou. Antes, de inútil, acabasse.

Meu coração postiço e contrafeito
Finge-se meu. Se o amor o houvesse tido,
Talvez, num rasgo natural de eleito,
Seu próprio ser do nada houvesse feito,
E a sua própria essência conseguido.

Mas não. Nunca nem eu nem coração
Fomos mais que um vestígio de passagem
Entre um anseio vão e um sonho vão.
Parceiros em prestidigitação,
Caímos ambos pelo alçapão.
Foi esta a nossa vida e a nossa viagem.

 

Fernando Pessoa

Surge

Surge a manhã

aparece o sol

Surge a vontade

De correr para ti

 

 De te abraçar

Não mais te largar

Mas quando me quiseres

encontar! Olha para o céu

 

Lá estará uma estrela

Quando me quiseres encontar

Mergulha na solidão,da noite

Eu serei uma pontinha de luz

 

lisa

Pérola solta

Sem que eu a esperasse,
Rolou aquela lágrima
No frio e na aridez da minha face.
Rolou devagarinho...,
Até à minha boca abriu caminho.
Sede! o que eu tenho é sede!
Recolhi-a nos lábios e bebi-a.
Como numa parede
Rejuvenesce a flor que a manhã orvalhou,
Na boca me cantou,
Breve como essa lágrima,
Esta breve elegia.

 

José Régio

 

Voo

Habito esta incerteza:   

o lugar exacto  

para o resgate das mãos.

E, contudo, aqui permaneço

rompendo os dias inacessíveis.

Hoje, talvez me demore.

vou partir com as aves.

 

Álvaro de Oliveira